Mundo Mulher

Dor Abdominal, Prisão de Ventre e Gases

Dor Abdominal, Prisão de Ventre e Gases

O que é essa doença?

A síndrome do intestino irritável (SII), também chamada síndrome do cólon irritável, é uma manifestação intestinal benigna, sem lesão na estrutura desses órgãos (inflamação, úlceras). Caracteriza-se por dores e mal-estar no abdome, de forma intermitente, podendo persistir por vários anos. O que aparece além da dor? A dor abdominal pode ser localizada ou difusa e acompanhada de constipação (dificuldade para evacuar), sensação de evacuação insatisfatória, fezes de pequeno volume, prisão de ventre ou diarréia, sensação de gases ou dificuldade em eliminá-los. Não é raro haver uma alternância entre a diarréia e a constipação

. Qual é a causa da doença?

As causas são várias e seu mecanismo, complexo. Sem dúvida é uma doença funcional, na qual estão inter-relacionados componentes psíquicos (estresse, depressão, ansiedade), hábitos alimentares inadequados (dietas sem fibras, excesso de álcool ou de gorduras etc.) e uso de medicamentos impróprios, entre outras causas. Esses fatores devem interferir na motilidade e na sensibilidade dos intestinos, provocando assim o desconforto e a dor abdominal.

Essa doença é freqüente?

Sim, é muito freqüente. Milhões de pessoas são afetadas por essa doença, que prejudica as atividades diárias do doente, interferindo no seu humor, na capacidade de concentração ou no relacionamento social. Essas pessoas despendem importantes gastos de dinheiro por ano, seja com médicos ou com automedicação. Como é feito o diagnóstico da SII? Só o médico tem condições de diagnosticá-la, principalmente o gastroenterologista. É preciso lembrar que várias doenças graves podem apresentar os mesmos sintomas da SII, tais como doenças inflamatórias intestinais (colite ulcerativa e doença de Crohn), doença diverticular ou mesmo câncer de intestino. O diagnóstico é confirmado após minucioso exame clínico e testes complementares apropriados.

A SII tem tratamento?

Sim. Antes de mais nada, ele deve ser feito por um especialista por um clínico bastante experiente, considerados paciente, tais como hábitos de vida, hábitos alimentares, orientação dietética, aconselhamento ou orientação psicológica, análise crítica de medicamentos em uso e automedicação, além de medicamentos para o alívio dos sintomas.

Quais as perspectivas para o futuro do paciente?

Atualmente, com a aquisição de novos conhecimentos sobre o mecanismo da doença e a síntese de recentes drogas específicas, um grande alento ao paciente, que poderá adquirir melhor qualidade de vida.

 

Fonte: folheto de distribuição médica


   

 

 

 

Mundo Mulher
Mundo Mulher
Mundo Mulher
Mundo Mulher
Mundo Mulher
Mundo Mulher