Mundo Mulher

Problemas palpebrais - Dra. Elvira Barbosa Abreu

Problemas palpebrais - Dra. Elvira Barbosa Abreu

20/10/2009

* Dra. Elvira Barbosa Abreu

Ao contrário do que muita gente pensa, aquelas bolsas sob os olhos ou o excesso de pele que parece encobrir a visão, não são em geral consideradas questões meramente estéticas. Algumas pessoas precisam se submeter a cirurgia para correção, o que lhes proporciona ampliação do campo de visão, diminuído pelo excesso de pele. Dores de cabeça e cansaço ao fim do dia são ocasionados por esses problemas mencionados.

A cirurgia da pálpebra, alerta a oftalmologista do Instituto Penido Burnier, Elvira Abreu, deve ter uma indicação clínica precisa, "mas é inegável que rejuvenesce pelo menos dez anos".

A oftalmologista analisa esse e outros temas relacionados à pálpebra, "que é considerada a pele mais fina do corpo humano".

Dois problemas palpebrais que estão relacionados à idade e também à genética são a dermatocalas e a herniação palpebral. A médica oftalmologista Elvira Abreu, do Instituto Penido Burnier, de Campinas, SP, centro oftalmológico de projeção internacional, explica que a dermatocalas, que é o excesso de pele nas pálpebras superiores, provoca dois problemas principais na visão, sendo que um é a obstrução do eixo visual, ou seja, a pessoa não consegue enxergar direito por causa da pálpebra caída, devido ao peso da pele. O segundo problema é um desconforto, porque a lágrima ao invés de ser drenada para o canto interno do olho, o que é normal, pode começar a drenar para o canto externo. Com essa constante umidade, a tendência é que o olho fique irritado. A impressão é de que a pessoa está sempre chorando, por ter o canto do olho sempre com uma lágrima. Essa umidade permanente pode causar dermatite, por isso os oftalmologistas recomendam a retirada dessa pele, que é considerada pela médica, como de fácil solução cirúrgica.

Segundo Elvira Abreu, os oftalmologistas não pensam tanto na estética e por isso não deixam a pálpebra muito esticada. A preocupação maior é com o problema funcional, que é retirar o excesso de pele e proporcionar que o olho feche corretamente, deixando-o sempre protegido. A dermatocalas muitas vezes é um problema genético, sendo que em algumas famílias todos têm esse problema, mas com o avanço da idade e a flacidez da musculatura do rosto, essa pele vai se sobrepondo ao olho.

Outro problema é a herniação palpebral, que é a gordura que temos atrás do olho. Quando somos bebês, temos os olhos bem abertos devido a essa gordura estar atrás, ajudando a manter a expressão de atenção. Essa gordura é separada da pálpebra por uma membrana que se chama septo-orbitária e com o passar do tempo essa membrana fica mais frágil e a gordura vem parar na pálpebra. Essa pressão da gordura sobre a pele, ocasiona também um excesso de pele, acontecendo tanto na pálpebra superior quanto na inferior, que chamamos de "bolsas palpebrais". Ela é mais frequente na pálpebra superior e sempre acontece nos dois olhos.

CORREÇÃO NOS DOIS OLHOS -

"É importante observar que a cirurgia é recomendada para casos onde haja excesso de pele e com esses sintomas mencionados. Quando o paciente nos procura com um pouco de pele, mas percebemos que a questão é estética, recomendamos que ele procure um cirurgião plástico, pois aí um leefting resolve", explica Elvira Abreu. A médica ressalta que é preciso lembrar que embaixo da pálpebra tem um olho e é preciso preservar o fechamento correto da pálpebra e não apenas a questão estética.

PERCEBENDO OS PROBLEMAS -

CIRURGIA -

O paciente opera pela manhã e no final da tarde já pode ir para casa, mas lá precisará ficar no que os médicos chamam de repouso relativo e tomar os mesmos cuidados com cabeça elevada, compressas geladas e o uso de pomadas especiais. Após uma semana os pontos já podem ser retirados. Durante 60 dias do pósoperátório o paciente precisa evitar o sol, para ter uma cicatrização boa. Apesar de ressaltar que essa é uma cirurgia não considerada estética, a médica afirma que os profissionais são unânimes em considerar que essa é uma intervenção que rejuvenesce uns dez anos e demora mais dez para precisar fazer novamente. No Penido Burnier são feitas cerca de 15 cirurgias de dermatocalas por mês, procuradas por pacientes diversos.

QUEM PODE FAZER -

CUIDADOS COM A REGIÃO DOS OLHOS -

Quem utiliza computador deve a cada duas horas fazer uma pausa de quinze minutos para que os olhos possam descansar e voltar a ter uma lubrificação normal. A tela do computador faz com que se diminua o piscar dos olhos e com essa diminuição eles ficam mais secos, causando a sensação de cansaço e vermelhidão, pois a lágriama é considerada o alimento da córnea, que fica opaca sem ela. Com um descanso a cada duas horas esse problema será solucionado. Caso a pessoa sinta desconforto, mesmo tomando os cuidados e sentir que os olhos estão ressecados, a médica ressalta que existem os colírios recomendados pelos oftalmologistas, as lágrimas artificiais, que deverão ser aplicados de duas em duas horas, nos olhos, proporcionando sensação de conforto.

A higienização da região dos olhos precisa ser feita com muito cuidado. Para Elvira Abreu, por ser uma região de pele muito fina, o ideal é que se utilize apenas água ou produtos específicos para limpeza dessa região, como no caso de retirada de maquiagem.

O principal inimigo da pele da pálpebra é o sol, pois essa é uma região de pele muito delicada, considerada a pele mais fina do corpo. Para isso a oftalmologista recomenda o uso de protetor solar específico para a área dos olhos e o óculos de sol. O excesso de sol pode ocasionar alterações secundárias que vão mudar o posicionamento da pálpebra, causando por exemplo, no caso das pessoas de pele muito clara, a ceratose aquitínica, que faz essa pele encolher. É um processo de cicatrização de tanto tomar sol. "Esse é um problema muito encontrado na região do Mediterrâneo, onde as pessoas podem ter o ectrópio, quando a pálpebra fica virada para baixo ou o entrópio, quando ela vira para dentro do olho. No caso do entrópio, os cílios ficam roçando para dentro do olho.
Segundo a médica, essa cirurgia pode ser feita por quase todos os tipos de pacientes, incluindo os diabéticos. "Aqueles pacientes cardíacos que tomam um anti-agregante plaquetário é preciso uma conversa preliminar entre o oftalmologista e o cardiologista, para que possa ser suspensa um pouco antes da cirurgia essa medicação, porque há perigo, já que é uma região que sangra bastante." Qualquer pessoa poderá se submeter a essa cirurgia, estando em bom estado de saúde e independente da idade. As mulheres ainda são maioria nos consultórios em busca desse tipo de cirurgia. Segundo a médica, de cada 10 pacientes, sete são mulheres e somente três são homens.
Nos dois casos mencionados acima o paciente é internado e é aplicada uma sedação para que a pessoa fique tranquila e uma anestesia local. O oftalmologista então desenha na pálpebra com uma caneta especial, o local onde o excesso de pele deverá ser retirado, provoca um ressecamento na região, retira as bolsinhas de gordura se existirem e é feita uma sutura. O paciente fica no hospital até o final da tarde em observação, em decúbito elevado, com a cabeça bem alta, fazendo compressas geladas, pois essa é uma região muito vascularizada que fica roxa, inchada e sangra bastante, por isso é preciso cuidados.
Como uma pessoa comum pode perceber que está com problemas palpebrais e que não é somente uma questão estética? "Todos precisamos perceber a margem da pálpebra de nossos olhos, ou seja é preciso enxergar de onde estão saindo os cílios. Quando não se consegue mais perceber de onde os cílios estão saindo é porque a pele da pálpebra está dobrando por cima e aí é a constatação de que a pele está em excesso, ou seja a pessoa está com a dermatocalas. Nesse caso alguns convênios médicos autorizam essa cirurgia, quando o paciente tem dois terços da margem palpebral obscurecida", diz a médica.
Segundo Elvira Abreu, "a correção cirúrgica precisa ser feita sempre nos dois olhos, pois a busca que temos que fazer é sempre pela simetria". Ela afirma que as pessoas descobrem que têm o problema quando o execeso de pele começa a incomodar a visão ou quando sentem irritação nos olhos. Esse problema faz com que as pessoas usem a musculatura acessória para levantar a pálpebra, que está pesada, no final da tarde sentem desconforto nessa região dos olhos. Algumas pessoas sentem cansaço visual, outras têm dores de cabeça. Algumas pessoas vêm ao oftalmologista com a queixa de que no final do dia tem dor de cabeça e sentem cansaço, além de apresentarem uma aparência de cansaço.
------------------------------------------------------------------------------------ ------* Dra. Elvira Barbosa Abreu - Instituto Penido Burnier Assessoria de Imprensa do Instituto Penido Burnier
Jornalistas: Edécio Roncon / Vera Graça
e-mail:
rongra@rongra.com.br e rongra@terra.com.br

Mundo Mulher
Mundo Mulher
Mundo Mulher
Mundo Mulher
Mundo Mulher
Mundo Mulher